fbpx
Sua Doação | Boleto | Carnê Digital

Deveres de pais e filhos nas Leis de Deus e da Igreja

Campanha Família é Vida

A Associação Maria Rainha dos Corações está comprometida com a evangelização das famílias, para que aprendamos a seguir o modelo de família agradável aos olhos de Deus, que é a Sagrada Família de Nazaré!

Neste sentido, nossa Associação criou a Campanha Família é Vida, que procura apresentar às famílias este caminho seguro para a felicidade familiar e também unir esforços e ações em favor do direito à vida.

Nesta página, você verá o que a Lei de Deus e a Lei da Igreja fala da relação entre pais e filhos.

Estamos diante do panorama onde existe uma normalização do pecado.

Isto é senão um grande inimigo da família. A nossa felicidade consiste em conhecer, amar e servir a Deus. E isso dentro das relações familiares, nas relações pais e filhos.

A aparente liberdade desenfreada, sem rédeas, gera, senão, uma frustração. Uma alegria vazia, que logo se esvanece.

A verdadeira alegria está em Deus.

Convido você e toda sua família a se tornarem devotos do exemplo máximo do que é santidade em família: a Sagrada Família de Nazaré. Os exemplos são muito eficazes no apostolado e a Sagrada Família é o exemplo por excelência da santidade familiar.


Clique no link abaixo e veja como receber em sua casa nossa Capelinha da Sagrada Família.

Consagre sua família à proteção da Sagrada Família.

O que o Catecismo da Igreja Católica ensina sobre os deveres de pais e filhos?

Os pais devem sempre ter um pressuposto como segunda natureza: vocês, pai e mãe, são o primeiro exemplo que os filhos têm como autoridades de Deus.

Na infância, vocês são os primeiros representantes de Deus para eles.

Por isso, é vontade de Deus que vocês, pai e mãe, eduquem e formem seus filhos para o bom convívio na sociedade mas, principalmente, para a santidade e para o Céu.

Diz o Catecismo da Igreja Católica que o direito e o dever de educação são primordiais e inalienáveis para os pais (CIC nº 2221).

Devem os pais então criar um lar tranquilo para os filhos, onde eles possam sentir que perdão, ternura, respeito filial, e principalmente, um serviço desinteressado sejam sempre cultivados.

Uma educação digna no mundo de hoje

Como está escrito no Catecismo, são os pais que devem proporcionar a primeira educação e formação dos filhos.

É neste momento que se forma o caráter, a personalidade da criança.

É, entre aspas, o momento de “maior aprendizagem e maior vulnerabilidade" da alma da criança. O que ela aprende nesta primeira infância, ela levará para a vida toda.

A alma da criança é como um trono que se encontra ainda vazio. Se não permitirmos e incentivarmos que Deus se sente neste trono, certamente “outra pessoa" se sentará e ocupará este lugar.

– ℘ –

Com isso podemos começar a entender o por quê de tanta voracidade das forças contrárias a Deus em seduzir desde muito cedo as crianças.

Sem nos darmos conta, logo mais os pais não terão mais direitos sobre a educação dos filhos.

Mais do que nunca devemos nos dispor e também nos consagrar e consagrar nossa família aos cuidados da SAGRADA FAMÍLIA.

Modelo por excelência de convívio familiar em todos os momentos, tanto nas alegrias quanto – e principalmente – nas provas e dificuldades.

Vamos, doravante, sempre recorrer a Sagrada Família e pedir que eles sejam de fato os protetores de nossa família aqui na terra.

CONVITE: Junte-se a nós nesta campanha pela família, pela vida e pelo Brasil! Clique no botão abaixo, faça uma doação e participe desta iniciativa fundamental para o futuro da sociedade!

A missão de educar

“Aquele que ama o filho castiga-o com frequência; aquele que ensina o filho, será louvado por causa dele" (Eclo 30,1-2).

“Quem poupa a vara odeia seu filho; quem o ama, castiga-o na hora precisa" (Pr 13,24)

“E vós, pais, não deis a vossos filhos motivos de revolta contra vós, mas criai-os na disciplina e na doutrina do Senhor" (Ef 6,4)

Para educar os filhos, é preciso antes, ter tempo para eles. Eles devem estar em nossas prioridades. Devemos “gastar tempo" com eles.

Sem estarmos na presença deles, a boa educação se torna impossível, pois, a boa educação moral e religiosa exige observação e atuação dos pais.

Os filhos devem honrar a grandeza dos pais. Mas uma grandeza não pessoal, mas sim uma grandeza que representa a Grandeza de Deus. Tudo deve ser feito por amor de Deus.

A maneira correta e santa de agir, falar, os bons exemplos dados, entre outros casos, na observação da vida de piedade dos pais pelos filhos. Orações em conjunto, antes das refeições, que devem ser feitas de modo calmo, sem agitação. A prática da recitação do Terço em família.

A correção de modo algum deve ser deixado de lado. Os filhos devem desde cedo aprender a escutar “não". Um filho criado sem esses “nãos", muito provavelmente se tornará um bandido de primeira categoria. O “não" forma caráter também.

Mas a correção deve ser feita de modo firme, para que os filhos percebam a gravidade e as consequências de seus erros, mas nunca de modo tirânico. Porque, como somos a primeira imagem que os filhos tem da autoridade de Deus, uma correção autoritária certamente, no futuro poderá gerar uma imagem de “Deus tirânico" também.

A correção deve sim ser feita de modo grave, mas também paternal. Explicando aos filhos toda a gravidade do erro, da transgressão da Lei Divina e toda implicação das consequências.

A existência do Inferno é um dogma de nossa fé(1) e isso também deve ser ensinado aos filhos.

A educação dos filhos realmente é algo muito grave e sério. Peçamos então auxílio ao Pai dos pais, São José, que nos ajude na árdua batalha que é a condução de nossos filhos para o Céu!


(1) Cf Catecismo da Igreja Católica nº 1033

Educação e respeito dos filhos

Os pais devem olhar os filhos como filhos de Deus e respeitá-los como pessoas humanas. Educarão os seus filhos no cumprimento da lei de Deus, na medida em que eles próprios se mostrarem obedientes à vontade do Pai dos céus (CIC nº 2222).

Os pais são os primeiros responsáveis pela educação de seus filhos. (…) O lar é um lugar apropriado para a educação das virtudes (CIC nº 2223).

Os pais são os primeiros exemplos que as crianças têm. E essas crianças, na primeira infância, são como que esponjas que absorvem absolutamente tudo os exemplos e posturas dos pais. É o começo da formação da personalidade e do caráter.

É uma grave responsabilidade dos pais dar sempre bons exemplos de conduta e de vida de piedade.

São João Paulo II alerta os pais a ensinarem, dentro da vida de piedade, a subordinarem as dimensões físicas e instintivas às dimensões interiores e espirituais (2). Ou seja, o caminho para a santidade e para o céu: dominar as paixões deixando-se levar pelos impulsos da graça divina.


(2) Encíclica Centesimus annus, 36: AAS 83 (1991) 838.

Sobre a evangelização dos filhos, com a graça do sacramento do matrimônio, os pais recebem a responsabilidade e o privilégio de evangelizar os filhos, devendo então iniciar desde mais tenra idade nos mistérios da fé, da qual, são para os filhos, os primeiros mensageiros. (cf CIC nº 2225).

Como?

As experiências da vida em família alimentam essas disposições afetivas que constituirão autênticos preâmbulos e apoio de uma fé viva (ídem).

E de cedo deve-se começar essa primeira catequese familiar. Os pais têm a missão de ensinar os filhos a rezar e a descobrir sua vocação.

E em contrapartida, os filhos contribuem para o crescimento dos seus pais na santidade (3). Todos e cada um se darão, generosamente e sem se cansar, o perdão mútuo à todas as ofensas. Isto é o afeto mútuo.

Assim exige a caridade cristã (4).


(3) Cf II Concílio Vaticano, Const past Gaudium et spes, 48: AAS 58 (1966) 1069.

(4) Cf Mt 18, 21-22; Lc 17,4

Família e o 4º Mandamento

“Honra teu pai e tua mãe, para que teus dias se prolonguem sobre a terra que te dá o Senhor, teu Deus" (Ex 20,12).

O quarto mandamento encabeça a segunda tábua da Lei. Deus quis que, depois d’Ele mesmo, honrássemos nossos pais, a quem devemos a vida e também toda transmissão dos conhecimentos das coisas de Deus.

Nosso Senhor Jesus Cristo mesmo recorda o quão agradável a Ele é a obediência aos pais. “Em seguida, desceu com eles a Nazaré e lhes era submisso" (Lc 2,51).

Também São Paulo em sua Epístola aos Efésios exortava: “Filhos, obedecei a vossos pais segundo o Senhor; porque isto é justo". (Ef 6,1).

O quarto mandamento dirige-se expressamente aos filhos em relação aos pais, porque esta relação é universal. Mas também, em segundo plano, a toda relação de honra, afeição e reconhecimento aos avós e antepassados.

Mas também, um ponto muito pouco comentado do 4º mandamento diz respeito a toda relação de autoridade e que esta autoridade representa senão Deus aos subordinados, como nas relações alunos e professores, empregados com os patrões, subordinados para com seus chefes e também os cidadãos para com a pátria e os que a administram.

Oração para pedir a obediência à Lei de Deus

Santíssima Virgem da Imaculada Conceição, que com vosso pronto, livre e resoluto SIM iniciastes na terra a obra da salvação concluída por vosso amadíssimo Filho na Cruz, no alto do Calvário, ensinai-nos a seguir os convites de Deus e obedecer a seus mandamentos.

Preservai a mim e à minha família de todos os pecados e em especial dos pecados cometidos contra o mandamento da Lei de Deus que manda honrar pai e mãe.

Preservai os pais da grave negligência na educação moral e religiosa de seus filhos. Dai aos pais a consciência do dever de serem exemplos para seus filhos na prática da religião e da moral. Dai aos filhos a consciência de que desonrando seus pais estão desonrando a Deus.

Dai-nos o zelo pela obediência ao 4º Mandamento da Lei de Deus, “Honrar pai e mãe", bem como a todos os demais mandamentos da Lei de Deus.

Abençoai e frutificai nossos esforços diários pela salvação eterna de todos os membros de nossa família. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.

Baixe agora este e-book

Deveres de pais e filhos

A família e o 4º Mandamento da Lei de Deus.
Saiba mais baixe seu ebook!

Aceito os termos e condições e a política de privacidade